Dell lança primeiro laptop 2-em-1 com tela de 17 polegadas

Note DellAssim como a Asus, outra grande fabricante de PCs aproveitou a feira internacional Computex para anunciar suas novas linhas de produtos. A Dell levou à feira diversos novos notebooks, incluindo o primeiro laptop 2-em-1 (isto é, que pode operar também como um tablet) com tela de 17 polegadas do mercado.

As dimensões podem parecer grandes demais para um modelo “conversível”, mas essa não é a única versão do laptop. O novo Inspiron 17 7000 chega também em versões de 13 e 15 polegadas, todas usando processadores de sexta geração da Intel e outras configurações de alto nível.

A versão de 17 polegadas, porém, vem com uma câmera de infravermelho com suporte ao Windows Hello – sistema de autenticação por reconhecimento facial incluído no Windows 10.

Paralelamente aos modelos mais caros, com preços partindo de US$ 750, a Dell também anunciou um 2-em-1 de mais baixo custo. É o caso do Inspiron 11 3000, que vem com tela de 11 polegadas e processador Intel M3. Por sua vez, esse notebook-que-vira-tablet chega às lojas americanas em junho custando US$ 250.

Entre o top de linha e o de entrada, há também espaço para um 2-em-1 intermediário com a marca da Dell. A empresa anunciou também o novo Inspiron 5000, que além de uma câmera com suporte a Windows Hello, vem com configurações customizáveis de memória RAM (chegando a até 16GB) e tela de 13 ou 15 polegadas. Tudo pelo preço mínimo de US$ 530.

Além dos modelos 2-em-1, houve também o anúncio de notebooks comuns. Entre eles está um outro Inspiron 5000 de 15 ou 17 polegadas, com opção de processador Intel ou AMD. No momento da compra, é possível também optar pela câmera de infravermelho como adicional ao modelo de 15. O preço não foi revelado.

Fonte:  Olhar Digital

Veja dicas para turbinar o seu roteador e melhorar navegação

RoteadorTurbinar o roteador pode ser uma alternativa essencial para quem quer melhorar a navegação na Internet. A lentidão e as falhas frequentes na rede, além de irritar o usuário, podem causar transtornos graves e comprometer horas de trabalho.

Para evitar que você passe por isso, confira seis dicas simples e eficientes para melhorar o funcionamento do seu roteador. As recomendações podem ser aplicadas em qualquer modelo, de qualquer fabricante.

 

1) Altere o DNS

Alterar o DNS impacta diretamente na velocidade da Internet. O ajuste faz a ponte entre o computador e o servidor que hospeda o site, transformando as URLs digitadas na barra de endereço em IPs. Quanto mais descongestionado o servidor DNS estiver, mais rápido a página será carregada.

2) Configure a frequência

Se seu roteador é dual band, alterar a frequência pode ajudar a melhorar o sinal do Wi-Fi. Isso porque a banda de 2,4 GHz, definida por padrão na maioria dos roteadores, é muito congestionada. A configuração é usada por vários aparelhos domésticos além do roteador, como microondas e telefones sem fio, o que faz o sinal ficar mais fraco.

3) Altere a largura do canal

Os roteadores trazem uma configuração chamada largura do canal (ou bandwidth), que trazem as opções 20 ou 40 MHz. Os canais são uma fração da banda e determinam a capacidade de transferência de dados. Isso significa que um canal com largura de 20 MHz é mais estreito e, portanto, passa menos informação que um de 40 MHz.

Vale ressaltar, porém, que aparelhos single band (2,4 GHz) tendem a operar melhor com a largura em 20 MHz. Se o seu tiver suporte à faixa de 5 GHz, mude a largura para 40 MHz para obter melhores taxas de transferência.

Alterar largura do canal pode melhorar transferência de dados (Foto: Reprodução/Raquel Freire)

Alterar largura do canal pode melhorar transferência de dados (Foto: Reprodução/Raquel Freire)

4) Atualize o firmware

As fabricantes estão constantemente desenvolvendo novas versões de software para seus roteadores. Os updates sempre trazem melhorias no desempenho, que se traduzem em maior velocidade de navegação. Cada modelo é atualizado de uma maneira diferente, por isso é importante entrar no site da companhia e buscar orientações detalhadas.

5) Troque a antena

Trocar a antena do roteador é outro jeito de turbinar o aparelho. A mudança por uma com maior ganho, valor expresso em dBI, pode ajudar o sinal a chegar mais longe na casa.

6) Use o QoS

Quase todos os roteadores atuais têm QoS (Qualidade de Serviço), que consegue tratar o tráfego na rede de diferentes formas. Com a ferramenta, você pode escolher quais são os programas mais importantes, que receberão prioridade na navegação.

Suponha que você está vendo um vídeo no YouTube e definiu que o serviço é prioritário através do QoS. Mesmo que alguém na sua rede comece a baixar um arquivo grande, a largura de banda usada para essa atividade secundária será tão pequena que não haverá interferência no streaming. Assim, o vídeo não irá travar nem perder qualidade de imagem.

O recurso QoS é encontrado nas configurações do roteador. Geralmente a ferramenta se encontra na aba de funções avançadas, mas há fabricantes que dedicam um guia próprio para o recurso, tornando-o mais fácil de ser encontrado.

Fonte: Techtudo.com.br

Cuidado! Seu rosto pode revelar mais sobre sua vida do que você pensa

Com base em fotos, algoritmos de reconhecimento facial podem revelar seus perfis na rede social a qualquer estranho.tecnologia IA reconhecimento facial

Com uma câmera de smartphone não muito diferente da sua, um jovem fotógrafo usou o metrô de São Petesburgo, na Rússia, para um experimento. Nos traslados, aqueles a sua frente eram discretamente fotografados. Pessoas comuns que ele provavelmente nunca havia visto. As fotos eram jogadas imediatamente em um aplicativo novo, o FindFace. Em segundos, o app direcionava Egor Tsvetkov ao perfil de seu companheiro de viagem na VKontate, rede social que está para os russos como o Facebook para os brasileiros. Amante de pets, lutador de boxe, estudante. Pronto, a sua frente já não estava mais um mero desconhecido.

Tsvetkov fotografou na hora e teve 70% de sucesso na busca pelos perfis dos fotografados. “Descobri muito da vida deles sem ter qualquer contato. Eu me senti um pouco desconfortável”, admitiu à imprensa russa.

Apesar do desconforto, não há crime algum em “stalkear”. No Brasil, direito à intimidade, honra e imagem são constitucionais. Mas um software de busca por imagens não agride honra e privacidade. “A partir do momento em que compartilha em uma rede social, você está autorizando que as pessoas tenham acesso a sua foto. A simples busca não configura crime”, define Fernando Peres, advogado especialista em direito digital e crimes cibernéticos. “Existirá um problema jurídico se essas imagens e informações pessoais forem usadas de forma ilícita.”

Seu rosto é Big Data

O fotógrafo transformou seu experimento em uma exposição de nome autoexplicativo: “Seu Rosto é Big Data”. Um trabalho por si só polêmico, já que publicou as fotos sem consentimento dos fotografados. Poderia ser pior. “Este serviço poderia ter sido usado por um assassino serial ou um cobrador buscando maliciosamente alguém que está devendo”, ponderou o fotógrafo ao Global Voices, um site que trata de preocupações da era digital.

Quase simultaneamente ao experimento, usuários de um fórum russo fotografaram prostitutas e atrizes de filmes pornô e usaram o FindFace para localizar e divulgar seus perfis pessoais na rede social.

Obviamente, a lei se aplica a casos como estes em praticamente qualquer lugar do mundo. Mas, talvez, precaver-se seja cada vez mais urgente. “O que é preciso é entender a necessidade de compartilhamento consciente de informações e imagens na internet. Quando divulga perde controle sobre elas”, defende Peres.

“Nossa tecnologia é revolucionária e avanços como este sempre trazem efeitos positivos e negativos, dependendo de quem os usa”, defendeu a FindFace, no centro da polêmica. Curiosamente, o aplicativo foi criado para “promover a amizade”.

Fonte: Gazeta do Povo

Novo Deskphone 8018

Novo Deskphone 8018DESKPHONE 8018 – Principais Características:
• Novo Design
• Telefonia IP
• Recursos de telefonia avançados
• Tela de 64×128
• Luz de fundo com display P&B
• 06 Teclas programáveis
• 04 Teclas de navegação
• Conector USB
• Suporte 802.3AZ
• Power Over Ethernet classe 1 para baixo consumo
• Kit de montagem para parede
• Porta Ethernet de 1GB para PC
• Alto-falante full-duplex
• Leds de notificação

NTFS, FAT32 OU EXFAT: Qual sistema escolher ao formatar um pendrive

Ao formatar um pendrive, disco rígido ou um cartão SD pelo Windows, são dadas três opções no menu de sistema de arquivos: NTFS, FAT32 ou exFAT. Todos possuem prós e contras, dependendo do uso da unidade de armazenamento e em qual dispositivo será colocado.

A compatibilidade com sistemas operacionais e aparelhos é um dos principais fatores a serem levados em consideração. Entenda abaixo o que é um sistema de arquivos, a definição de cada um e qual o formato adequado para diferentes unidades de armazenamento.

O que é um sistema de arquivos?

Um sistema de arquivos é um conjunto de regras utilizado para definir como os dados são guardados e organizados em uma unidade de armazenamento, seja um disco rígido, pendrive ou cartão SD. Cada sistema utiliza um método de organização e determina como os dados serão acessados pelos dispositivos. Veja abaixo qual é a diferença entre o NTFS, FAT32 e exFAT.

FAT32

FAT é a sigla para File Allocation Table, em português, Tabela de Alocação de Arquivos. O FAT32 foi lançado como novo padrão para o Windows 95, substituindo o FAT16. Entre os três sistemas indicados, é o mais antigo e por isso o que possui compatibilidade com o maior número de dispositivos e sistemas operacionais.

A maior parte dos pen drives são formatados em FAT32 justamente para garantir a leitura e gravação de arquivos em computadores com Windows, Mac OS e Linux, videogames e aparelhos que possuem uma porta USB. Em contrapartida, esse sistema não permite que arquivos individuais ultrapassem os 4 GB. Utilizar um cartãoSD em FAT32 em uma câmera pode implicar na divisão de arquivos ao fazer uma filmagem que atinja o limite, por exemplo.

É interessante utilizar o FAT32 em pen drives e dispositivos de armazenamento externo que possuem até 4 GB. O padrão também é útil para lidar com aparelhos e sistemas operacionais mais antigos, que não suportam as outras formatações.

NTFS

O NTFS foi lançado no Windows NT em 1993 e passou a figurar nas versões domésticas com o Windows XP. Ele conta com uma série de recursos para lidar com arquivos, como o journaling, que fornece permissão ao sistema operacional para manter um registro de todas as alterações feitas sobre um arquivo. Assim, caso aconteça um erro durante a gravação de um dado, existe a possibilidade de restauração dos arquivos.

Além disso, arquivos individuais e partições possuem limites de tamanho praticamente ilimitados e há uma série de mecanismos de segurança, o que o torna ideal para instalações do Windows.

Esse padrão não é interessante para pen drives e unidades de armazenamento externo por contar com atividades de leitura e gravação maiores em relação ao FAT32 ou o exFAT, o que diminui a vida útil dos dispositivos. A compatibilidade é outro problema: consolesPlayStation não o suportam, computadores com Mac OS fazem apenas leitura e entre os consoles da Microsoft, apenas o Xbox One possui compatibilidade.

exFAT

O exFAT surgiu apenas em 2006 e foi adicionado ao Windows XP e Windows Vista por meio de atualizações. É um sistema de arquivos otimizado para pen drives, feito para ser eficiente como o FAT32, mas sem limitações com o tamanho dos arquivos. Ou seja, assim como acontece no NTFS, o limite de tamanho de arquivo individual e de partição é praticamente ilimitado.

O sistema é compatível com diversos dispositivos e sistemas operacionais. A maioria das câmeras digitais, os computadores com Windows e Mac OS e os consoles da nova geração suportam o exFAT. Falta compatibilidade, porém, com o Xbox 360 e o PlayStation 3 e no Linux, é preciso instalar softwares adicionais.

É interessante utilizar o exFAT em pen drives e dispositivos de armazenamento externo com mais de 4 GB de espaço.

Resumidamente, o NTFS é ideal para HDs internos que lidam com o Windows, enquanto o exFAT é a melhor opção para pen drives e HDs externos. O FAT32 é útil para lidar com dispositivos que não suportam os outros sistemas de arquivos.

 

Fonte:  Techtudo – G1.com