Intel aponta quatro principais tendências para 2017

Líderes da empresa apresentam as tecnologias que definirão o futuro da companhia e da indústria.

tecnologia-e-comunicacaoInteligência Artificial: segundo a Intel, hoje existem mais dados do que os seres humanos conseguem consumir, sintetizar ou dar algum uso. No entanto, com as tecnologias de inteligência artificial (AI), já é possível compreender, interpretar e utilizar de forma mais eficiente toda essa informação.

Para Gayle Sheppard, gerente geral da Saffron Technology, empresa de computação cognitiva adquirida pela Intel, 2017 será o ano em que os sistemas de decisão habilitados pela AI serão incorporados por diversas indústrias. A vantagem será extrair informação de dados não estruturados, auxiliando empresas de serviços financeiros a melhorarem a detecção e prevenção de fraudes, ou ajudar comerciantes a individualizarem as recomendações de produtos para obterem melhores resultados de vendas.

“Com a AI, temos a oportunidade de ir além do pensamento tradicional sobre os sistemas de suporte de decisão para construir sistemas possibilitam entender e colaborar em tomadas de decisões de forma mais relevante e eficiente”, diz a executiva.

Realidade Virtual e Aumentada: apesar de ser associadas a jogos e entretenimento, a tendência é que as realidades virtual e aumentada (VR/AR) sejam aplicadas em planilhas, processamento de texto e email. De acordo com Remi El-Ouazzane, executivo-chefe da Movidius, empresa que a Intel adquiriu em 2016, a colaboração no local de trabalho deverá estimular a adoção dessas tecnologias.

O executivo acredita que a VR/AR poderá prover um ambiente onde engenheiros de diferentes locais de todo o mundo poderiam andar em torno de um motor, trabalhando juntos como se estivessem fisicamente no mesmo lugar, ao mesmo tempo.

Para isso, os computadores precisarão processar visuais com a velocidade e a precisão de um olho humano. Trabalhando com a Intel e sua tecnologia de reconhecimento de profundidade, a Movidius pode combinar a sua unidade de processamento de visão e trabalhar para que o exemplo acima se torne realidade.

“Na realidade combinada, estamos confrontando dois mundos, o mundo real que podemos ver com nossos olhos e um mundo gerado por computador. O monitor onde esses elementos sintéticos são renderizados precisam ser bons o bastante para que cérebro humano entenda como real”, completa o executivo.

Carros autônomos: Kathy Winter, gerente geral da divisão de soluções de condução autônoma da Intel, espera que esse ano mais carros autônomos estejam nas ruas e estradas, coletando dados para pavimentar o caminho para uma ampla adoção de veículos autônomos seguros e confiáveis.

Para ela, já há uma mudança na indústria automotiva, com um foco menor na aparência dos veículos, se voltando mais no que eles conseguem fazer. Com a função superando a forma, a indústria está pronta para tecnologias base para comunicações e computação que a Intel oferece.

5G: já pensando em um futuro próximo, está a rede 5G, que deverão estar disponíveis a partir de 2020. Mas o que Rob Topol, gerente geral de negócios e tecnologia 5G da Intel, espera é que esses testes 5G ganhem força em 2017.

Um grande avanço estará nos dispositivos protótipos usados para os testes. “Será possível ver a mudança nas plataformas de testes, usando formatos cada vez mais móveis e específicos para cada segmento”, disse Topol.

Ao contrário das tecnologias 4G, onde grande parte do foco está em criar smartphones mais rápidos, os líderes das indústrias procuram a 5G para fornecer melhores taxas de dados (1-20 Gbps), menor latência e a capacidade necessária para o florescimento da Internet das Coisas (IoT), novos modelos de serviço e novas experiências imersivas. “Sem a 5G, a Internet das Coisas não alcançará o seu potencial”, completa Topol.

Fonte: IP NEWS

Comments for this post are closed.